Categoria ‘Alimentação das crianças’

PostHeaderIcon Verão: dicas para a alimentação das crianças.

frutas-legumes

Frutas e suas variações
A nutricionista Elaine de Pádua recomenda variar a forma de oferecer as frutas. “Iogurtes, leite e sucos com frutas podem facilitar o consumo de diferentes tipos delas. Picolés de frutas também são permitidos”, explica. Segundo a nutricionista Larissa Cohen, é preciso estar atenta aos rótulos: “Nos sucos e picolés, evite aqueles em que a primeira ou a segunda palavra dos ingredientes é açúcar. Polpa, suco ou água devem ser os primeiros da lista, já que representam substâncias em maior quantidade no produto”. Ela lembra as frutas já devem estar picadas, em potes, dentro de uma sacola térmica, para facilitar o consumo.

Para quem não gosta de fruta
Para crianças que torcem o nariz para qualquer tipo de fruta, Larissa Cohen recomenda biscoitos à base de farinhas integrais (doces ou salgados), bolo caseiro simples em fatias (previamente embalados fatia a fatia) e minis-sanduíches de queijo minas ou mussarela. A nutricionista Elaine de Pádua orienta: “Nunca deixe o pacote de biscoitos com a criança. Ofereça o salgadinho em um potinho e regule a quantidade. O adulto deve estipular os limites”.

Comendo na rua
Quando a fome apertar e não houver nada previamente preparado para a criança, a nutricionista Larissa Cohen recomenda: “A mãe pode comprar milho cozido, biscoito de polvilho, picolés de fruta, sucos e água de coco”. Ela lembra que os sanduíches vendidos na praia, com maionese, devem ser evitados. “Pratos com camarão, empadas, salpicão, salada de frutas e sucos que não sejam industrializados também não devem fazer parte da alimentação das crianças na rua, já que correm o risco de contaminação por bactérias, que provocam infecção intestinal, com febre e diarreia”, explica a nutricionista.

Viagem em família
A nutricionista Elaine de Pádua explica que o café da manhã dos hotéis costuma fazer a alegria das crianças. “Capriche na primeira refeição do dia, mas faça escolhas saudáveis. Opte por somente uma variação de pão, de preferência integral, evite frituras e alimentos gordurosos”, diz a nutricionista. Se for passar o dia todo fora do hotel, em um lugar que ainda não conhece, Larissa Cohen recomenda levar a comida das crianças já pronta: “No almoço, ofereça um sanduíche de pão integral ou árabe com queijo minas, alface, tomate e cenoura ralada. Para beber, leve água de coco e suco de fruta”. Larissa recomenda que, pelo menos uma vez por dia, a criança consuma verduras, legumes, carnes, arroz e feijão. “Nas férias, os lanches costumam predominar, mas a mãe pode se organizar para oferecer, pelo menos, uma refeição completa por dia para a criança”, orienta a nutricionista.

Fonte: http://gnt.globo.com/maes-e-filhos/dicas/Ferias-de-verao–confira-dicas-para-a-alimentacao-das-criancas.shtml

PostHeaderIcon Biscoitos Amanteigados

biscoitos-amanteigados

Ingredientes:
4 xícaras de chá de farinha de trigo
3 colheres de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de sal
200 gr de manteiga
1 xícara de chá de açucar
1 ovo
1 colher de chá de raspas de laranja

Modo de preparo:
Bata a manteiga com o açucar até ficar cremosa. Junte o ovo inteiri e a raspa da laranja, continuando a bater. Misture então a farinha, o fermento e o sal até obter uma massa bem homogênea.
Faça os biscoitinhos enrolando-os com as mãos enfarinhadas. Coloque em tabuleiro sem ser untado, forno moderado, por 10 a 15 minutos

PostHeaderIcon Outono: como cuidar da sa?de do seu filho

Com a chegada dessa estação, surgem também algumas doenças típicas, como a gripe e o resfriado. Confira dicas para passar por esse período com tranquilidade

Ana Paula Pontes

Quando o outono chega, junto com ele vêm a queda das temperaturas e o aumento da circulação de vírus no ar. Nesta época do ano, é comum as crianças apresentarem infecções respiratórias, como gripe, resfriado, bronquiolite, pneumonia. E aquelas que têm alergia, como asma e rinite, sofrem um pouco mais.

É comum também a criança ter várias infecções ao longo dos meses. “Os pais às vezes pensam que a criança tem algum problema específico de imunidade. E não é isso. É normal as repetições de infecção”, diz Eliane Henriques Moreira Alfani, pediatra do Hospital São Luiz (SP).

Para você passar por essa fase de tosse, espirros e nariz entupido com mais tranqüilidade, selecionamos algumas dicas que podem ajudar a evitar algumas complicações no seu filho e outras para amenizar alguns desconfortos provocados pelas doenças:

Prevenção

– Consulte o pediatra do seu filho sobre as imunizações que ele pode fazer. A da gripe é uma delas;

– Evite que a criança fique em locais abafados e com aglomerações, que facilitam a transmissão de infecções;

– Aumente a ingestão de líquidos e mantenha uma alimentação saudável, para fortalecer a imunidade da criança;

– Não deixe seu filho ficar exposto à chuva, garoa ou frio intenso (especialistas em baixar a imunidade);

– Evite, sempre que possível, o contato da criança com outras pessoas doentes;

Menos desconfortos

– Nariz entupido deixa a criança irritada. Para aliviar a congestão, lave as narinas com soro fisiológico e estimule a criança a assoar o nariz várias vezes ao dia. Nos bebês, você pode usar um bulbo macio de borracha para aspirar a secreção espessa;

– Ao deitar, a respiração pode ficar prejudicada se o nariz estiver entupido. Vale elevar um pouco o travesseiro da criança e fazer uma inalação com soro fisiológico para desentupir as vias aéreas;

– Se a febre do seu filho estiver muito alta, não deixe de procurar o pediatra. Antitérmicos, compressas e banhos mornos ajudam a baixar a temperatura.

Atitudes em casa que ajudam

– Para eliminar o pó, limpe a casa com pano úmido e aspirador diariamente. As vassouras levantam poeira;

– Troque as roupas de cama da criança duas vezes por semana;

– Retire tapetes, carpetes e bichos de pelúcia do quarto do seu filho;

– Não entulhe coisas em estantes, para evitar acúmulo de poeira.

Sem estresse

– Estar com o filho doente não é nada agradável. Mas é importante controlar a sua ansiedade, para que a criança fique mais calma;

– A hora do remédio pode ser um estresse. Seja firme, sem perder o controle;

– Quando as crianças estão doentes, é comum o apetite ir embora. Ofereça a alimentação, mas não force;

– Fique sempre por perto. Essa troca de carinho faz muito bem ao seu filho.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI65990-15326,00-OUTONO+COMO+CUIDAR+DA+SAUDE+DO+SEU+FILHO.html

PostHeaderIcon Como ajudar meu filho a ter bons h?bitos alimentares?

comidapotinhos

Fique calma
Ofereça alimentos saudáveis e nutritivos para o seu filho, mas deixe que ele decida o quanto quer comer. Acredite, o corpo dele sabe o tanto de comida de que precisa.

Tenha horários fixos para as refeições e para os lanches, levando em conta a rotina de sono do seu filho durante o dia. Ofereça três refeições e mais dois ou três lanchinhos nutritivos. Veja exemplos de lanches saudáveis:

• frutas
• tomatinhos cereja e pedaços de queijo
• iogurte com pedaços de fruta
• um sanduíche pequeno
• cenoura, pepino ou erva-doce crus, ralados ou em pedaços pequenos, se ele já mastigar bem
• torrada ou pão com patê ou queijo cremoso
• leite gelado batido com frutas
• um copo de leite e um pãozinho ou fatia de bolo caseiro

Procure evitar dar de comer logo antes da hora da soneca, quando ele já está caindo pelas tabelas de tanto sono. Se a refeição atrasou e ele já está fechando os olhos, dê alguma coisa leve, e guarde a refeição maior para quando ele acordar. Encaixe os lanchinhos entre as refeições. Se passar muito tempo sem a criança comer, ela pode acabar ficando irritada de fome, o que atrapalha a paz da refeição.

Torne as refeições interessantes e divertidas. Uma das estratégias é sempre, depois do salgado, oferecer uma sobremesa. Com isso seu filho ganha mais uma chance de absorver nutrientes. Não é porque o alimento é doce que ele precisa ser proibido.

Mas não vale usar a sobremesa como prêmio por comer a parte salgada da refeição. Em tese, isso dá valor demais ao doce, o que play australian pokies online causaria problemas no futuro. Você vai ter de fazer um enorme esforço para não cair na armadilha, porque usar esse artifício é quase automático.

Veja alguns exemplos de sobremesas nutritivas: pudim de leite, salada de fruta com iogurte ou um pouco de sorvete, compotas de fruta, arroz-doce, iogurte natural com geléia, fruta com mel (para crianças acima de 1 ano).

Coma junto com seu filho sempre que conseguir, e coma os alimentos que gostaria que ele comesse. Crianças precisam experimentar para aprender a comer novos alimentos, e o melhor incentivo é ver outras pessoas comendo. Faça comentários sobre a comida durante a refeição: “Nossa, isso está uma delícia”, ou “Humm, purê de batata com carne moída é uma das minhas comidas favoritas”.

Essa fase do seu filho é uma ótima oportunidade para aprimorar os seus hábitos alimentares e até para se aventurar mais na cozinha.

Respeite as preferências da criança. Nessa idade, começam a surgir os gostos: há crianças que gostam da comida molhadinha, outros já preferem alimentos secos. Outros exigem que cada tipo de comida fique separado do outro (não pode misturar o arroz com o feijão, por exemplo). Há aqueles que têm dificuldade para mastigar carne. Embora você deva respeitar o gosto do seu filho, não faça uma comida especial só para ele.

Ofereça sempre a mesma coisa que o resto da família estiver comendo, mas procure se certificar de que ele vá gostar de pelo menos uma das opções. Com o tempo, o gosto da criança vai mudando, portanto é importante continuar oferecendo ao seu filho a mesma comida dos adultos.

http://brasil.babycenter.com

PostHeaderIcon Os erros na alimentação infantil

A comida não é um prêmio, nem um castigo, e tão pouco deve ser um desabafo às tensões de uma pessoa. A comida deve ter seu lugar, sua hora, e seu controle. Os grandes responsáveis pelo sobrepeso de uma criança são seus pais, aqueles que determinam o que se consome em casa e fora dela. Normalmente, seja pelos seus erros, obsessões, ou pelo desconhecimento e ignorância dos pais, as crianças consomem mais quantidade de alimentos do que necessitam, e sua alimentação é muito rica em gorduras, açúcares, presentes em grande quantidade de carne, em alimentos pré-cozidos, e nos doces e bolos. São crianças que não consomem verduras, legumes, frutas nem peixes. A isso também se soma a que muitas crianças ignorem e acabem saindo de casa sem tomar o café da manhã. Na última pesquisa sobre o sobrepeso na infância, entre outras coisas, constatou-se que 8% das crianças espanholas vão para a escola sem o café da manhã. O café da manhã é uma das refeições mais importantes do dia, e está diretamente implicada na regulação do peso.

Além dos erros mencionados, muitos pais pecam por:
– obrigar que a criança coma mais do que pode.

– premiar um bom comportamento com guloseimas e outros alimentos calóricos.

– castigar à criança sem comida por apresentar alguma conduta desfavorável.

– festejar qualquer acontecimento importante da vida da criança oferecendo-lhe uma comida “sem qualidade”.

– permitir o consumo diário de doces, bolos, bebidas gasosas e açucaradas.

– oferecer, com frequência, pratos pré-cozidos pela falta de tempo.

Acertos na alimentação infantil

Quando os pais dão aos filhos a atenção devida e se preocupam com sua alimentação, as possibilidades que sofram sobrepeso são baixas. O controle dos adultos é fundamental na hora de prevenir a obesidade infantil. Para isso é necessário obedecer algumas pautas alimentares, considerando que os primeiros anos de vida de uma criança são cruciais na sua educação:

– aos bebês não devem dar-lhes o peito totalmente segundo a demanda que apresente; desde o princípio deve-se ensiná-los a alimentar-se bem e no seu momento certo.

– quando o bebê chora, não se deve oferecer-lhe o o peito assim, de primeira, sem antes detectar a causa do choro e tentar acalmá-lo. O dar o peito de forma indiscriminada, pode levar a que o bebê, quando seja maior, recorra à comida quando sofra algum mal-estar.

– visitar periodicamente ao pediatra, quando seja necessário ou nas revisões determinadas pelo centro de saúde. Foi demonstrado que uma criança que segue um controle médico tem menos possibilidades de sofrer obesidade ou qualquer outra enfermidade.

– seguir as dietas alimentares que o pediatra passar para o bebê, mês a mês. Ou seja, respeitando e introduzindo os alimentos segundo a idade da criança. É um bom modo de prevenção.

– fazer com que o bebê, até os dois anos de idade tenha provado de tudo um pouco.

– cuidar para que as crianças não “pulem” as refeições, organizando uma rotina alimentar constante.

– preparar as refeições com ingredientes frescos e naturais, sempre que possível.

– considerar a tabela de pesos e medidas que oferecemos e a que determine o pediatra do seu filho. E em caso do bebê ou criança não apresente um quadro de medidas dentro da normalidade, fale com seu pediatra sobre como melhorar a situação.

– oferecer uma alimentação variada em carnes, farinhas, verduras, frutas, etc.

– oferecer muitos líquidos às crianças especialmente em temporadas de muito calor e depois que praticarem exercícios físicos. A água é uma boa fonte e um fluído que não tem calorias.
fonte:www.br.guiainfantil.com

PostHeaderIcon Paladar infantil


Mônica Brandão

Compartilho alguns fatos que descobri sobre o paladar infantil, depois de muitas matérias feitas e editadas. Tudo para ajudar a gente na mesa!

* As preferências e rejeições começam a aparecer por volta dos 2 anos. Até lá o seu papel é o de apresentar, o máximo de alimentos possíveis. Quanto maior a variedade mais chance do seu filho ser mais flexível na mesa.
* A criança nasce com certa predisposição para gostar de alguns alimentos e não de outros. Mas os hábitos dos adultos da casa, a cultura de onde ela mora e dos lugares que freqüenta influenciam muito.
*Acredite: se em casa a criança costuma tomar sucos de frutas, ela tende a rejeitar refrigerantes nas festinhas. Eu vejo isso acontecer constantemente com a Isabella. O mesmo ocorre com outros alimentos. O paladar vai se acostumar com comidas saudáveis.
* Mas lembre-se que é você quem constrói os hábitos. Por isso sempre digo que ter filhos é a melhor forma de faze reeducação alimentar. Criança é uma ótima desculpa para a gente comer melhor
* Não adianta querer que seu filho coma frutas, legumes e verduras se isso não faz parte do seu prato – ou pelo menos do seu (sua) companheiro (a). De novo: os hábitos da casa é que formam a criança
* O paladar muda conforme a idade. Por isso hoje você gosta de alimentos que não ligava antes – e não entende como podia gostar de certas coisas na sua infância. Seu filho não vai gostar de shiitake e queijo brie aos 4 anos. Já quando for adulto…
* Para a criança gostar da comida ela precisa ter um contexto positivo. Ajudar na preparação, bom humor na mesa, uma prato bonito e colorido, e adultos que apreciam comer fazem uma super diferença.
* Não adianta fazer um prato nutritivo se a criança não sentir prazer. Ninguém come apenas por obrigação. Os verdes, por exemplo. Ela precisa ver que os pais sentem prazer em comê-los, assim vai associar brócolis a algo gostoso. Daí ser tão fácil gostar de chocolate. Já viu sua cara no espelho quando morde um?

Um beijo da Mô
www.comerparacrescer.com

PostHeaderIcon Churrascada Especial Dia dos Pais

Dicas para preparar uma churrascada inesquecível
Fazer um churrasco significa submeter a carne ao calor – lento e constante – do braseiro, dourando a superfície, assando o interior, modificando sua consistência e tornando-a suculenta, macia e saborosa.
Embora seja aparentemente fácil de preparar, o sucesso de uma churrascada reside em alguns segredos: a escolha da carne, os apetrechos, a quantidade de carne, os acompanhamentos, as bebidas e as sobremesas.

Que carne comprar ?
É fundamental que a carne seja de excelente qualidade, isto é, proveniente de um fornecedor de absoluta confiança.Dê preferência às carnes maturadas – produtos embalados à vácuo e prontos para a grelha-, pois são ideais para esse tipo de preparação.Os melhores cortes para churrasco são picanha, maminha, fraldinha, miolo de alcatra, filé mignon, contrafilé, cupim e costela.

Que tempero usar?
Sal grosso é o mais utilizado: deve ser aplicado apenas na hora em que a carne vai para o fogo.

Marinada: tempero composto, em geral de vinho, vinagre, limão, louro, sal, alho, cebola, pimenta, etc., onde a carne fica de molho por algumas horas ou de um dia para o outro.

Ervas: uma combinação feita geralmente de tomilho, salsa, alecrim, hortelã, manjericão etc., misturada com sal e outros condimentos (como pimenta, vinagre, mostarda), é usada pelo churrasqueiro para pincelar a carne durante o cozimento.

O Braseiro
Há muitas maneiras de acender o fogo e transformá-lo num bom braseiro. O básico é colocar um pedaço de pão duro ou um pano velho embebido em álcool no meio do carvão tradicional e atear fogo.

Acenda o fogo com uns 30 ou 40 minutos de antecedência para que a fumaça não deixe gosto e cheiro na carne.

Fonte: www.ambaragencia.com.br

PostHeaderIcon Seis erros comuns na alimentação das crianças

.
PROIBIÇÕES E CHANTAGENS NÃO SÃO A FÓRMULA IDEAL PARA FAZER SEU FILHO COMER DE TUDO. LISTAMOS SEIS ERROS COMUNS QUE OS PAIS COMETEM NA HORA DE ALIMENTAR OS PEQUENOS

sorvete

Fazer criança comer de maneira saudável não é tarefa fácil. Para tanto, os pais recorrem a fórmulas variadas: castigo, briga, chantagem, troca, presente, prêmio… A intenção é boa, mas o resultado pode não ser eficiente. Confira os seis erros mais comuns que os pais cometem na hora da educação alimentar dos filhos e saiba o que fazer para evitá-los, antes que a criança cresça com hábitos ruins.

1- Tirar as crianças da cozinha
É importante que você estimule o interesse das crianças pela culinária, e quer melhor forma do que deixá-los te ajudar a preparar uma receita? É claro que você não vai cozinhar com a mesma rapidez se tiver que ficar de olho neles o tempo todo, tomando cuidado com facas, água fervente e etc. Mas prepare-se para, uma vez ou outra, receber visita. Pesquisadores da Columbia University descobriram que crianças que cozinham seus próprios alimentos estão mais propensas a provar produtos saudáveis, como legumes e grãos integrais.

2- Fazer pressão para a criança comer.
Se você insistir, brigar ou chantagear, seu filho vai ter ainda mais repulsa ao alimento estranho, pode acreditar. É normal criança ter medo do novo, e cabe aos pais terem compreensão. Vá acostumando a criança desde pequena a experimentar comidas de todas as cores e aparências.

3- Esconder e proibir guloseimas.
Pode parecer o caminho mais fácil, mas não é. Esconder bolos, chocolates e biscoitos no alto do armário pode ter o efeito contrário ao esperado, pois a proibição é capaz de aumentar o desejo da criança pela guloseima. Segundo Luciana Kotaka, psicóloga especializada em obesidade e transtornos alimentares, se um produto tem que ser evitado, o ideal é não tê-lo dentro de casa. Quando tiver, explique para seu filho que o exagero faz mal, e que depois da refeição a sobremesa estará liberada (ou no lanchinho da tarde).

4- Não estimular hábitos de vida saudáveis.
“Os hábitos alimentares dos pais são muito importantes para a educação dos filhos. Se em casa todos gostam de pratos saudáveis, dificilmente a criança vai fugir à regra. Além disso, ter horário para as refeições, fazê-las em família e à mesa, auxiliam bastante. É preciso estimulá-los naturalmente a experimentar. Sem pressão ou ordens”, afirma a psicóloga.

5- Servir de qualquer jeito.
Se seu filho já não tem muito interesse pelo verde, de nada vai adiantar colocar um monte de folhas de alface no prato dele, certo? Faça a comida ficar atraente, misture folhas e legumes coloridos, como beterraba, tomate e cenoura. Outra dica é acrescentar alguma coisa que eles gostem bastante: sirva a salada com queijo, palmito, torradinhas…

6- Ceder às birras e vontades dos filhos.
Seja insistente mas sem insistir. Deu pra entender? Tudo bem, a gente dá uma dica. A Dra. Luciana ensina a regra dos 15: sirva o mesmo alimento em 15 ocasiões diferentes, preparados de maneira diferente e com acompanhamentos diferentes. Assim, o alimento vai deixar de ser estranho. Faça de tudo para tornar o prato mais interessante, conte histórias, monte um desenho no prato, brinque com a imaginação deles.

Matéria da revista Pais & Filhos