Categoria ‘Brinquedoteca’

PostHeaderIcon Brinquedo de sucada – Pata de elefante

pata-de-elefante

Material:

2 latas
Cordão grosso ou cordinha
2 cores de tempera
Pincel pequeno

Art Attack

PostHeaderIcon jogos de bolinhas de gude

Bolinha de Gude

Bolinha de Gude

Relatos e registros históricos, arqueológicos e culturais sugerem que o jogo de bolinha de gude é um hábito é muito antigo, segundo o pesquisador Roberto Azoubel os primeiros relatos são do ano 3.000 a.C., quando bolinhas foram encontradas em túmulos egípcios dessa época. O Museu Britânico tem em seu acervo bolinhas da Ilha de Creta (Grécia) datadas de 2.000 a.C., feitas de materiais diversos. Também há registros da brincadeira no Império Romano, inclusive entre adultos, segundo o historiador Câmara Cascudo, autor do livro “Dicionário do Folclore Brasileiro

No Brasil, é chamada de bola ou bolinha de gude por quase todo território. Gude era o nome dado às pedrinhas redondas e lisas retiradas dos leitos dos rios. Em alguns estados e regiões ela ganha nomes variados, como:

Baleba – norte do Rio de Janeiro;
Bola de búrica – Paraná;
Búrica – região de Santa Catarina fronteiriça com o Paraná;
Bolinha de vidro – população luso-açoriana do litoral catarinense;
Chimbre ou ximbra – Alagoas;
Pereca – Pará Biroca – Minas Gerais (Bulinha em Belo Horizonte);
Bolita – Rio Grande do Sul.

Não se tem registro de bolinhas com o índio nativo brasileiro. Elas chegaram com os europeus, na bagagem lúdica das crianças portuguesas.

Para todas as modalidades, duas formas de jogos se apresentam: “à brinca” (quando o jogador mesmo perdendo o jogo, não perde suas bolas) e “à vera” (quando ele perde). Eis algumas modalidades conhecidas:

Lóca – se faz um buraco pequeno no chão, toma-se distância de mais ou menos 3 metros. Cada jogador escolhe meia dúzia de bolinhas, preferencialmente diferentes umas das outras. A partir disso, atira-se as bolinhas em direção ao buraco, o objetivo é enlocar. Começa quem conseguiu ficar mais próximo do buraco, cada vez que isto acontece (acertar o buraco), o dono da bolinha tem direito a retirar uma peça de cada jogador e torna-se o proprietário dela. Por isso que se dizia, “vamos jogar a ganhe [valendo] ou a brinques [não valendo]?” ;

Oca ou Roda (Niterói-RJ); Boca ou Búrico (Santa Catarina); Buraco (Cariri-CE) – compreende um círculo de mais de 2,50 metros de diâmetro com um buraco, pouco maior que a maior bola em jogo, no centro. Os jogadores, em número indeterminado, “tiram o ponto” lançando suas bolas em direção à buraca e tendo o cuidado de não “carambolar” ou “ferir” a bola do adversário. O que mais se aproximar dela será o primeiro, e assim sucessivamente, por ordem de afastamento. O primeiro tem direito a dar três “tecos”, em cada jogada, na bola de cada um dos adversários, usando palmo. O objetivo perseguido por cada jogador é introduzir sua bola na buraca. Para tanto, procuram se aproximar dela e afastar com “tecos”as bolas inimigas. Perde a vez quem deixar cair a bola da mão ou não atingir a bola do adversário;

Triângulo – desenha-se um triângulo no chão e cada jogador põe 3 bolinhas dentro do desenho, pode ser nos vértices ou dentro do espaço das 3 linhas. Tomada a distância novamente, atira-se as bolinhas em direção ao triângulo. Se acertar uma bolinha de um adversário e tirar ela para fora do triângulo, ela passa a ser sua. Na jogada, a sua bolinha tem que bater na outra e sair junto do espaço do desenho, senão perde a vez;

Mata-mata (Rio de Janeiro), Corridinha (Santa Catarina ou Corre-atrás (Pará) – É a mais simples das modalidades. É praticada por dois ou mais jogadores. O primeiro, via de regra por ter se adiantado aos outros e gritando “Primeiro”, lança a sua bola de gude numa direção qualquer. Segue-se o segundo, que procura atingi-lo; o terceiro; e assim sucessivamente, até voltar a vez do primeiro. Será vencedor quem conseguir eliminar os adversários por meio de “tecos”;

Béu, Zepe ou Cetriz (Niterói – RJ) ou Barca (Vitória – ES) – Num terreno plano de terra batida, risca-se um elipsoide com cerca de 15 cm de eixo maior e 7 cm de eixo menor, variando de acordo com a quantidade de bolas a ser depositadas nele. Cada jogador “casa” um determinado número de bolas no interior do oval. Tira-se o ponto: o jogador que mais aproximar a sua bola privativa da linha do béu, atirando-a de uma certa distância, será o primeiro. O objetivo é “matar” o adversário ou retirar, de um só “teco”, podendo usar o palmo, uma ou mais bolas do béu. Aquele que acerta, prossegue jogando até errar. Perde a vez se não consegue arrancar as bolas da cetriz ou deixa que a sua bola pessoal lhe escape da mão. O jogador atingido perde a partida e abandona o jogo;

Búlica (RJ); Papão (Lagoa Santa-MG e Espírito Santo); Búrica (norte do RJ); Burca (Alagoas); Peteca de Casas (Belém-PA) – Os jogadores devem cavar, no chão de terra, com ajuda de instrumento ou não, três pequenos buracos (búlicas) em linha reta, dispostos em ordem: primeiro, segundo e terceiro. Junto ao terceiro buraco, os jogadores atiram suas bolas de gude na direção do primeiro para “tirar o ponto”. O que mais se aproximar dele será o primeiro, os demais o seguirão na ordem estabelecida. A seguir, o primeiro atira a sua bola em direção do buraco 1. Se acertar, poderá dificultar a entrada dos oponentes afastando as suas bolas com três “tecos” em cada uma e tendo o direito de fazer mais uma jogada para entrar na “búlica” seguinte. Se errar, será a vez do segundo, e assim por diante. Tendo penetrado no buraco 1, o próximo objetivo do jogador é conquistar o buraco 2 e em seguida o buraco 3 (primeira de “papa”), para retornar, passando novamente pelo buraco 2 (segunda de “papa”), ao buraco 1 (terceira de “papa”). Aquele que consegue cumprir à risca esse percurso torna-se “papa”;

Chepinha (São Fidélis-RJ); Zepi (Petrópolis-RJ) – risca-se no chão uma figura em forma de arco, denominada “chepa”, no interior da qual dois meninos “deitam”- cada um – uma bola. Traçam-se duas linhas, uma de cada lado do arco e afastadas deste. Em seguida, tira-se o “ponto”. O jogador que fizer sua bola mais se aproximar de uma das linhas, previamente escolhida, será o dono do jogo. Caberá a ele indicar ao adversário o modo de lançar a bola, que será também o seu modo. O objetivo é retirar com toques da bola privativa – lançando-a de pé, ora de uma linha, ora de outra – as bolinhas casadas na “chepa”. Enquanto houver uma bolinha na “chepa”, o jogo prossegue. Se um dos concorrentes arrebatar as duas bolinhas, será o vencedor. Se, todavia, cada um retirar uma, o jogo terminará empatado;

Rapa-põe-tira-deixa (Rio de Janeiro) – consiste num grande retângulo traçado no chão e dividido em quatro partes, cada uma delas correspondente às palavras “rapa”, “põe”, “tira” e “deixa”, indicadas por suas iniciais. Paralela ao retângulo, fica a linha do “ponto”. Só dela, estabelecida a ordem de sucessão, os jogadores poderão lançar suas bolas pessoais em direção ao retângulo. Se a bola estacionar no compartimento correspondente a “rapa”, seu dono arrecadará todas as bolas em disputa, guardadas num local próprio ou sob a responsabilidade de alguém que não esteja participando da peleja. Se cair no “põe”, deve o jogador depositar o número de bolas correspondente ao combinado. Parando no “tira”, recuperará apenas o que “casou”. E, finalmente, no “deixa”, não ganhará nem perderá nada;

Circuito ou Caracol (Niterói-RJ) – O campo de jogo assemelha-se a uma raia de corrida com 10 cm de largura, situada entre dois elipsoides concêntricos, tendo mais ou menos 4 metros de eixo maior e 2 metros de eixo menor. Pode possuir também o formato de espiral ou caracol. Tanto em um como em outro, constrói-se uma série de obstáculos, tais como pontes, rios, fossas, elevações, labirintos, canais, túneis etc., de forma a dificultar a conclusão do circuito. Cada jogador tem direito a três jogadas com o uso do palmo e pode dar três “tecos” num só adversário ou em outros. Se sair da pista por qualquer motivo, deve voltar à estaca zero para recomeçar o percurso. Caindo num obstáculo, permanece ali até que todos o tenham superado. Ganha o jogador que primeiro concluir o circuito.

PostHeaderIcon Super Banco Imobiliário

O clássico Banco Imobiliário agora está de volta com uma grande novidade: Uma máquina de cartões! As propriedades são empresas reais, você vai ter que provar que é bom nos negócios, indicado para crianças à partir de 8 anos.
banco-imob
Conteúdo do jogo

01 tabuleiro
01 Bandeja Plástica
28 cartões
32 cartões Sorte ou Revés
01 Máquina eletrônica
06 cartões plásticos
01 Manual de Instruções
80 casas plásticas
02 dados
6 peões plásticos

PostHeaderIcon Brinquedoteca

Em prédios e condomínios, não há desculpas para não disponibilizar às crianças pequenas uma brinquedoteca. Geralmente, em espaços a partir de exíguos 4 metros quadrados já é possível criar um espaço lúdico para crianças.

Como quase tudo na vida, existem opções para todos os bolsos e gostos. Porém, mesmo a mais econômica delas pode tornar um espaço sem vida e inutilizado de um condomínio em um local agradável para as crianças e que pode ser utilizado o ano inteiro, ao contrário dos playgrounds externos, sempre sujeitos às variações climáticas.

O salão de jogos é um bom local para abrigar uma pequena brinquedoteca e deve ser formulado pensando em atender às mais diversas faixas etárias, contando com uma decoração atrativa e com elementos confortáveis, mas também duráveis e resistentes à garotada.

Esse investimento pequeno ajuda a preservar outras áreas comuns e evitar corre-corre e algazarras pelos halls, corredores e escadas – assunto problemático em boa parte dos condomínios.

Algumas idéias para brinquedotecas:

playroom-decorating-ideas

element-playroom

habitacion-infantil

Mais informações no site: coresdacasa.blogspot.com/search/label/Brinquedoteca