Categoria ‘Literatura infantil’

PostHeaderIcon Dona Joaninha – Interpretação de texto para alfabetização

 Desenho de joaninha

Dona Joaninha

Olá, eu sou a Dona Joaninha, tenho seis patinhas que me levam  por aí.

Na minha cabeça tenho duas antenas para sentir o cheiro e gosto das coisas.

Minha comida preferida são outros insetos, alguns destes insetos que servem para me alimentar fazem mal às plantas.

Por isso muitos agricultores, aquelas pessoas que plantam e colhem, acham que eu sou benéfica, pois eu ajudo a diminuir o número de pragas e as plantinhas crescem felizes e dão muitos frutos.

Eu posso viver até cento e oitenta dias, cerca de seis meses, mas não sei se vou viver tanto assim, é que tem muito agricultor e até mesmo nas casas das pessoas, que passam veneno nas plantas, os chamados agrotóxicos, para matar os insetos que prejudicam as plantas e eu, que não faço mal a ninguém, acabo morrendo também.

Eu acho que não deveriam usar tanto veneno assim, eu e muitos outros insetos amigos meus, ajudam a acabar com várias pragas.

Os agricultores podiam nos contratar para acabar  com os inimigos das plantas, ia ser melhor para todo mundo, inclusive para o próprio ser humano,  já que não ia ter veneno na comida que ele come.

Mas já que isso nem sempre acontece, é bom lavar muito bem todas as verduras antes de comer, isso para ninguém correr o risco de ficar doente ou intoxicado.

Quantas patinhas tem a Dona Joaninha?

Para que servem as antenas da Dona Joaninha?

Porque a Dona Joaninha é benéfica para a agricultura?

Porque os agricultores não devem usar muito veneno?

Porque devemos lavar muito bem todas as verduras?

 

PostHeaderIcon Dicas de livros infantis

Numa noite de tempestade Gaspar as ovelhas recolheu É que ventava de verdade E estava escuro como breu. Calçou-lhes meias quentinhas E na cama as deitou. Pôs-lhes gorros nas cabecinhas E depois as aconchegou. Mas, de repente, alguém bateu à porta… TRUZ TRUZ TRUZ Seria mais uma ovelha?

O Palhaço é deitado para o lixo juntamente com outros brinquedos indesejados. Mas, longe de se conformar com a sua sorte, o Palhaço põe-se a caminho, numa aventura citadina com um final invulgarmente feliz!

Este é um livro em que a enorme ternura que o atravessa não impede o humor e o ritmo tão próprios desta autora e que introduz a crianças nas questões da multiculturalidade.

À luz da Lua, um pequenino ovo descansava numa folha. Num domingo de manhã o sol quente chegou e PLOC!…, de dentro do ovo saiu uma lagartinha magra e esfomeada.

Era uma vez um lobo, velhinho e esfomeado, que recebeu inesperadamente a visita de uma ovelhinha. Mal olhou para ela, começou logo a planear um belo ensopado de borrego. Mas a ovelhinha não queria ser o jantar do lobo. Na verdade, o que ela queria mesmo era… ser apenas amiga dele!

Num exercício de fantasia e imaginação, Mercer Mayer retrata o tema dos terrores nocturnos com uma grande dose de humor e ternura. assim, o menino e protagonista desta história decide revoltar-se contra os seus próprios medos e é capaz de enfrentar o seu pesadelo imaginário que, no fim de contas, não era assim tão assustador como ele imaginava.

Uma história sobre a amizade e a entrega e sobre a importância das pequenas/grandes coisas da vida…

O Jaime plantou uma bolota… mas demorou um pouco até ter uma bonita árvore.

Um grande livro, com magníficas ilustrações e uma história de sonho…

PostHeaderIcon Literatura infantil – O Pequeno Príncipe

o-pequeno-principe

O narrador encontra o pequeno príncipe quando ele fez um pouso forçado no deserto de Sahara. Ele estava consertando o seu avião quando ouve uma vozinha pedindo-lhe para desenhar um carneiro. O narrador voltou-se e viu o pequeno príncipe. O aviador soube que o príncipe veio de um planeta tão pequeno que ele podia assistir o por do sol quando ele quisesse, bastava para isso, girar o corpo.
O princepizinho pediu-lhe para desenhar um carneiro. Ele queria o carneiro por que o carneiro come arbustos. E assim poderia comer os baobás que eram um problema em seu planeta. O narrador ponderou que baobás são árvores grandes, mas o príncipe explicou-lhe que eles nascem pequenos, mas ficou preocupado por que carneiros comem flores também e ele tinha uma flor muito especial em seu planeta, uma flor que amava muito.
A flor embora bonita e cheirosa era vã e exigente, ingênua e orgulhosa! Acreditava que seus espinhos a protegeriam, exgiu que o príncipe a cobrisse com uma tela. Disse-lhe para colocá-la sob um globo de vidro à noite para protegê-la do frio. Embora o príncipe a amasse, estava cansado de ouvir-lhe as exigências, assim ele partiu de seu planeta com um bando de pássaros em migração.
Antes de chegar à Terra, o príncipe visitou muitos planetas. um rei vivia no primeiro planeta que ele visitou. O rei ficou feliz por ter um súdito e exigiu obediência. Ele cansou de pedir ao príncipe para ficar, mas o príncipe não concordou e partiu novamente. Visitou outros planetas e cada vez conheceu pessoas diferentes.
Na Terra queria descobrir amigos e conhecer muitos lugares e coisas. Um dia conheceu a raposa e fez amizade. Umas das coisas que ela lhe dissera foi: – A gente só conhece bem as coisas que cativou, os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas, mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me! …

Links para fazer o download do livro O Pequeno Príncipe

http://w17.easy-share.com/1701129880.html

http://www.4shared.com/file/42847224/f0f4f347/Antoine_de_Saint-Exupery_-_O_Pequeno_Prncipe.html?s=1

Link para ler o livro O Pequeno Príncipe em HTML:

www.mayrink.g12.br/pp/Cap00.htm